RELEMBRANDO

Conforme informado no post anterior segue o link:

https://tributariofamato1.wordpress.com/2013/08/08/a-pedido-da-famato-prazos-sao-prorrogados-pela-sefaz/

O prazo para apresentação da Arqueação é de até 31 de janeiro de 2014.

 ALERTA

Anúncios

Fique atento produtor que realiza exportação

EXPORTAÇÃOProdutor que realiza remessa direta ou indireta para exportação, fique atento ao preenchimento das planilhas com informações à SEFAZ.

A Secretaria lembra aos estabelecimentos/produtores rurais que ao efetuarem remessa, direta ou indireta, para exportação, que devem preencher as planilhas com informações à SEFAZ, com fulcro no § 4º do Art. 4º D do RICMS, transcrito:

“§ 4º Ressalvado o estatuído no § 4º-B, para fins do disposto no § 1º deste artigo, o estabelecimento mato-grossense que efetuar remessa, direta ou indireta, para exportação, prestará, semestralmente, informações por meio eletrônico, mediante utilização das planilhas descritas nos incisos I, II, III, IV, V e VI deste parágrafo, disponibilizadas, via Internet, no sítio da Secretaria de Estado de Fazenda (www.sefaz.mt.gov.br), quanto:

I – planilha 1 – REGISTRO DE EXPORTAÇÃO – informação dos respectivos registros de exportação, por produto, relativos à operação direta ou indireta originada de estabelecimento mato-grossense;
II – planilha 2 – ESTOQUES NO ESTADO DE MATO GROSSO – informação dos estoques de mercadorias, por produto, mantidas em cada estabelecimento mato-grossense;
III – planilha 3 – ESTOQUES FORA DO ESTADO DE MATO GROSSO – informações dos estoques de mercadorias, por produto, e sua localização relativamente às operações e prestações de remessa de mercadorias com fins específicos de exportação, ou para formação de lote para exportação;
IV – planilha 4 – DIFERENÇAS DE PESAGENS NA ENTRADA DO ESTABELECIMENTO NO ESTADO DE MATO GROSSO – informação das diferenças de pesagem, por produto, apuradas na entrada da mercadoria no estabelecimento destinatário;
V – planilha 5 – ENTRADAS PENDENTES DE REGISTRO NO SISTEMA DE CONTROLE DE NOTAS FISCAIS DE SAÍDAS – informação por remetente e por produto das entradas que se encontrem sem registro pelo remetente no sistema a que se refere o artigo 4º-C;
VI – planilha 6 – DEMAIS ENTRADAS DESOBRIGADAS DE REGISTRO NO SISTEMA DE CONTROLE DE NOTAS FISCAIS DE SAÍDAS – informação por remetente e por produto relativas às entradas no estabelecimento que por qualquer razão não estão obrigadas ao prévio registro a que se refere o artigo 4º-C.

§ 4º-A As planilhas arroladas no parágrafo anterior deverão ser transmitidas até o dia 20 de julho de cada ano, englobando as operações ocorridas no primeiro semestre civil do mesmo ano, e até o dia 20 de janeiro do ano seguinte, englobando as operações ocorridas no segundo semestre do ano imediatamente anterior.

§ 4º-B Ficam dispensados da apresentação das planilhas exigidas no § 4º deste artigo, os contribuintes obrigados à utilização de Escrituração Fiscal Digital – EFD, nos termos dos artigos 245 a 254 deste regulamento.

No endereço http://www.sefaz.mt.gov.br/portal/ArqDownloads/PlContexpotModelo.php  esta disponível maiores informações, assim como as planilhas e os manuais de orientação para preenchimento.

A NOVA CONTABILIDADE RURAL

BLOG          Com as novas mudanças fiscais aqui no estado de Mato Grosso, a contabilidade rural passou a ser uma ferramenta indispensável para o produtor rural, tanto pessoa física como pessoa jurídica. Não basta hoje o produtor usar o velho método de se preocupar apenas com o Imposto de renda. Hoje em nosso estado a exploração da atividade agrícola na pessoa física está sujeita a quase todas as obrigações da pessoa jurídica, um reflexo dessa mudança foi a obrigatoriedade da Escrituração Fiscal Digital (Speed Fiscal) para produtores pessoas físicas, que antes eram obrigados apenas a GIA e SINTEGRA. Com essas novas mudanças na contabilidade rural, o produtor terá que se organizar com as obrigações fiscais do estado, uma vez que a entrega dessas informações são mensais e devem conter informações detalhadas das compras e vendas na atividade agrícola.

          A muito tempo venho conversando com alguns produtores do estado de Mato Grosso sobre a organização que os mesmos estão tendo que aderir no dia a dia da atividade, todos estão de olho no negocio rural, não são apenas produtores rurais, industrias, empresas comerciais e chineses, mas também a Receita Federal e o Fisco estadual; esses apuram as informações do dia a dia através de cruzamentos de dados e cruzam com as informações prestadas pelos contribuintes. Com todas essas mudanças ocorrendo no meio rural, o produtor tem que estar organizado com o setor fiscal, assim é possível a redução de impostos através de ajustes, pois quanto mais informações o contador tiver em mãos, mais tomadas de decisões ele poderá ter em relação os impostos. Estamos no mês de novembro e para ser ter ideia o produtor rural que está organizado já consegue prevê o cenário do imposto de renda, isso graças a entrega mensal de informações pertinentes a receitas e despesas contidas no Speed Fiscal, assim o mesmo terá que se preocupar apenas com os ajustes finais da declaração para que assim consiga reduzir tributos.

          Os produtores devem cuidar da parte tributaria e contábil do seu patrimônio, como tão bem cuidam de Suas lavouras, pois a tecnologia de Máquinas, equipamentos, sementes e fertilizantes evoluíram muito, mas também se modernizaram as tecnologias utilizadas pelos órgãos arrecadadores e fiscalizadores de impostos.

Eliabe De Souza Ribeiro

Encarregado de Contabilidade Rural, Escritório Storck – Sapezal MT.